A tradição já não é o que era. Não há muito tempo, colocar um anúncio no jornal para encontrar um novo colaborador, vender um produto ou divulgar serviços era a estratégia de marketing mais comum levada a cabo pelas marcas. Assim, pedir à agência de publicidade para criar uma campanha publicitária para divulgar pelos outdoors da cidade ou à agência de comunicação para criar um comunicado de imprensa, era o que estava dentro do pacote normal de serviços.

A estratégia de marketing deve complementar o digital com o tradicional.

Após muitos anos a seguirmos a mesma linha, o digital veio redefinir todos os paradigmas. Nada é só uma e única coisa, tudo se complementa, tudo se adiciona e tudo se integra. Em todo o lado.

É certo dizer que o modelo tradicional chegou ao fim. Os modelos de negócio não podem continuar a ser os mesmos, nem as agências devem continuar a fazer as mesmas coisas. Acima de tudo, a relação entre as marcas e os clientes alterou-se. O consumidor não vê apenas as marcas, fala com elas. Envolve-se. Cresce com elas. Demasiado rápido. O mercado percebeu, as empresas também. Assim, as agências adaptaram-se para conseguir continuar a servir os interesses dos clientes, levando-os ainda mais perto do consumidor.

Quer partilhar este artigo? Esta imagem tem as dimensões optimizadas para o LinkedIn. Utilize à vontade!

A perenidade das estratégias é cada vez mais discutida. Nada é para sempre. Nem pode ser. Faz sentido criar estratégias de comunicação tailor-made. Estratégias totalmente personalizadas para o cliente de acordo com o seu posicionamento, objectivos, necessidades e momento da implementação. A velocidade a que tudo se altera no mundo digital é alucinante. Se hoje o Facebook faz sentido, amanhã pode ser preterido por outra rede social mais dominante. As marcas estão onde os seus consumidores estão. As agências devem comportar-se como um verdadeiro guarda-fatos: nenhum fato é igual ao anterior e todos são comprados com um propósito.

O planeamento traz resultados mais consistentes.

Toda a estratégia de marketing deve conter um pouco de cada área de actuação: Publicidade, Comunicação, Marketing e Relações Públicas, na sua vertente offline e online. Só assim se constroem estratégias globais integradas, sendo estas mais eficazes e eficientes.

Quer partilhar este artigo? Esta imagem tem as dimensões optimizadas para o LinkedIn. Utilize à vontade!

Ao longo dos tempos, a resistência das agências tradicionais em modificar o seu modelo de negócio fez não só com que os seus clientes e colaboradores optassem por outros caminhos, mas, essencialmente, que o seu modelo deixasse de ser rentável. As marcas não compram algo que as torne menos relevantes. A relevância, hoje em dia, é conseguida através de variadas formas. A comunicação deve ser integrada. Apenas é possível devolver valor ao cliente através de acções que se convertam em resultados. Para obtermos resultados, temos que seguir um planeamento, implementar de forma exímia, medindo em todos as fases os resultados, por forma a atingirmos o objectivo definido: sejam vendas de escovas de dentes, marcações de test-drives ou subscrição de uma newsletter.

Carla Palmeiro Silva | Head of Accounts @ The Agency

 

 

Gostou de ler o nosso artigo? Partilhe-o com os seus contactos. O seu apoio é muito importante para nós! =D

Subscreva a nossa newsletter aqui.

Facebook | LinkedIn | Instagram | Google+ | Pinterest | Youtube

Tags:

Deixe uma resposta